Projeto: Memória do Judiciário – Formando Gerações


DSC_2130b
Escola  Santa Cecília, de Gravataí, em visita ao Memorial no Projeto Formando
Gerações.  (2/10/2014) - Fotografia de Laís Albuquerque


De 2004 a 2016 foram realizadas 296 sessões do programa Formando Gerações com a participação de 176 escolas e instituições. Os números contemplam 10.988 estudantes de 31 municípios do Estado do RS.

O Memorial do Judiciário, ao estabelecer como política e estratégia institucional a promoção da pesquisa, da divulgação do acervo, do resgate e da preservação de sua memória e da sua inserção no contexto social, enriquece e personifica as opções estratégicas para questões atuais de difícil solução. Nesse sentido, é missão do Memorial ser uma estrutura dinâmica e interativa, com a instituição judiciária e com a comunidade, evitando a condição de espaço estanque apenas para guarda de documentação e de acervo objetal históricos.

Tem como princípio ser um espaço construtivo e reprodutivo da cultura, respeitando o entorno comunitário, tendo como premissa o papel de formador da cidadania. Paulo Freire, em Pedagogia da Autonomia (1999: 33-34), "por que não aproveitar a experiência que têm os alunos (...) por que não discutir com os alunos a realidade concreta (...) a realidade agressiva em que a violência é a constante e a convivência das pessoas é muito maior com a morte do que com a vida?" ressalta a importância do respeito aos saberes dos jovens, do desenvolvimento da criticidade a respeito da prática, da corporificarão das palavras pelo exemplo, o reconhecimento da identidade cultural. Conforme Freire, "uma das tarefas mais importantes da prática educativo-crítica é propiciar as condições em que os educandos em suas relações uns com os outros e todos com o professor (...) ensaiam a experiência profunda de assumir-se" (1999: 46), de serem sujeitos sociais participantes e solidários, ao participarem do Projeto Formando Gerações, em que se desenvolvem a subjetividade, a criatividade e a construção de ressignificações e apropriação de sua cultura e história.

Ao apresentar à criança a proposição de desenvolvimento da atividade "Tribunal do Júri para solução de um conflito", oportuniza-se a utilização de instrumentos cognitivos prévios e a expressão de resistências a eles para que, após a desestruturação do conhecimento existentes, construa novo saber.”

O processo de apropriação do conhecimento, da consciência da criança de seus direitos e deveres, alicerça-se em viabilizar à criança momentos de reflexão crítica sobre o mundo e sua inserção dentro dele viabiliza-se a entendimento do presente e uma projeção de futuro.

OBJETIVO

Considerando a necessidade de garantir uma estrutura dinâmica e interativa com a comunidade infanto-juvenil, de modo a se evitar a condição de espaço apenas para guarda de documentação e acervo objetal históricos, o Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul apresenta projeto de execução de ações integradas que venham informar, construir conhecimento e ser facilitadoras do aprendizado de jovens quanto ao passado de suas instituições e à projeção de seu futuro.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

- Estimular a consciência da cidadania e da educação política no público jovem que visita o Memorial do Judiciário.
- Criar uma identificação direta com o público infantil e infanto-juvenil por meio de personagens-mascote e, assim, contribuir significativamente para a interatividade do Poder Judiciário com a comunidade.
- Ser facilitador no processo de aprendizagem do público infantil e infanto-juvenil sobre a realidade do Judiciário gaúcho, reforçando a difusão da informação sobre os direitos da criança e do adolescente.

PRÊMIO FALA

O Prêmio FALA é uma iniciativa do Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul com o apoio da Corregedoria-Geral da Justiça. Vem, desde 2009, propiciando atividades de difusão de práticas e conceitos relativos aos direitos da cidadania, atingindo especialmente a realidade a ser combatida via Estatuto da Criança e do Adolescente e da legislação que combate a violência doméstica e familiar contra a mulher.
2017 - O tema dos trabalhos para 2017 é EU, MINHA FAMÍLIA E NOSSAS HISTÓRIAS – O QUE AS MINHAS MEMÓRIAS FAMILIARES DIZEM SOBRE QUEM EU SOU. O tema está diretamente relacionado com a exposição MINHAS MEMÓRIAS, NOSSA HISTÓRIA, atualmente aberta à visitação no Espaço Desembargador Donato João Sehnem, no Memorial do Judiciário. A premiação deste ano será entregue em cerimônia pública que será realizada no início de dezembro, em data ainda a ser confirmada, no Auditório do Palácio da Justiça, Centro Histórico de Porto Alegre. Cada trabalho vencedor e sua respectiva escola recebeu um computador totalizando 16 máquinas distribuídas entre ensino médio e ensino fundamental nas quatro áreas de expressão. Conheça a íntegra da regulamentação  - Ato nº 17/2017-P, de 12 de junho de 2017.
Trabalhos - Conheça todos os trabalhos ganhadores de 2016 e reportagem sobre a entrega da premiação nos posts do blog https://premiofala.wordpress.com/.



EQUIPE

A equipe de monitores que realiza o atendimento no Projeto é composta por integrantes do Memorial do Judiciário e de outras unidades do Poder Judiciário, orientados pela Direção, e Assistências Técnica e Administrativa do Memorial.

Os magistrados de 1º e 2º graus, participam na orientação e interação com os alunos que participam do Projeto, dirimindo dúvidas, encaminhando sugestões para questionamentos,
aproximando o Juiz do cidadão, ali ainda criança ou jovem.

Além da equipe do Memorial, apoiam o Projeto a Corregedoria-Geral da Justiça, a Equipe de Segurança e a Unidade de Imprensa do TJ.

MATERIAL DE APOIO

São distribuídos folders do Memorial do Judiciário do RS; a Cartilha da Justiça em Quadrinhos (alunos do Ensino Fundamental), Livreto sobre a História do Poder Judiciário, desenvolvida pela Equipe do Memorial, (alunos do Ensino Fundamental), contemplando a capacidade cognitiva de cada ciclo de aprendizagem.

BREVE DESCRIÇÃO DAS VISITAS AO MEMORIAL POR ANO ESCOLAR

As crianças são levadas a conhecer os ambientes e objetos que compõem o acervo do Museu e sua significação no quotidiano das atividades do Poder Judiciário em toda a história do País.

· 3º A 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Os jovens são recepcionados por monitores orientados, que conduzirão as visitas guiadas, apresentando a estrutura do Memorial e seus ambientes, a história do Judiciário gaúcho e sua importância na comunidade, bem como desenvolverão atividade lúdica com os visitantes simulando situações de solução de conflitos. Duração: 90 minutos. Atendimento a Grupos de 30 a 40 integrantes

· 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ATÉ O ENSINO MÉDIO

Os jovens serão recepcionados por monitores orientados que conduzirão as visitas guiadas, apresentando a estrutura do Memorial e seus ambientes, bem como a história do Judiciário gaúcho e sua importância no contexto nacional, desenvolvendo atividade lúdica fundamentada em projeção de vídeo ilustrativo de situação de violência e conflito. Duração: 90 minutos. Atendimento a Grupos de 30 a 40 integrantes.

DIVULGAÇÃO

Conta o Projeto FORMANDO GERAÇÕES com uma publicação quadrimensal, o (in)Formando, formato A4, de quatro páginas, distribuídos às escolas de todo o Estado, principalmente às da Região Metropolitana de Porto Alegre. Para os conteúdos de cada edição, veja em http://www.issuu.comj/memorialtjrs.

As novas notícias a respeito do FORMANDO se encontram também na página de Notícias do Tribunal de Justiça na Internet.